sexta-feira, junho 21, 2024
InícioSaúdePor que grávidas não devem comer fast food?

Por que grávidas não devem comer fast food?

Durante uma gravidez, é comum que as mulheres grávidas sintam aqueles desejos inexplicáveis que provavelmente só quem já foi mãe vai poder entender. Porém, novos estudos sugerem que as futuras mamães devem pensar duas vezes antes de se aventurar em um fast food ou comer um doce pré-embalado.

A influência dos ftalatos na gravidez

O motivo? A pesquisa mostra que os ftalatos, uma classe de produtos químicos associados aos plásticos, podem se espalhar dos invólucros, embalagens e até mesmo das luvas de plástico usadas pelos manipuladores da refeição para o alimento. Uma vez consumidos durante a gravidez, esses produtos químicos podem entrar na corrente sanguínea e, através da placenta, entrar na corrente sanguínea fetal — prejudicando seu desenvolvimento.

Cuidados com a alimentação durante a gravidez

(Fonte: Getty Images)

A análise coletou dados do corte de pesquisa Condições que Afetam o Desenvolvimento Neurocognitivo e a Aprendizagem na Primeira Infância (CANDLE), que incluiu 1.031 gestantes nos Estados Unidos matriculadas entre 2006 e 2011.

De acordo com o novo estudo, os ftalatos podem causar estresse oxidativo e uma cascata inflamatória no feto. A literatura médica indica que a exposição a essas substâncias químicas durante a gravidez pode aumentar o risco de baixo peso ao nascer, parto prematuro e distúrbios de saúde mental infantil — como TDAH.

Impacto dos alimentos ultraprocessados na exposição aos ftalatos

(Fonte: Getty Images)

A pesquisa é a primeira feita em mulheres grávidas para mostrar que dietas ricas em alimentos ultraprocessados estão ligadas a maiores exposições a ftalatos, escrevem os autores. “Quando as mães são expostas a este produto químico, ele pode atravessar a placenta e entrar na circulação fetal”, disse Sheela Sathyanarayana, pesquisadora do Instituto de Pesquisa Infantil de Seattle e autora sênior da pesquisa.

Alternativas saudáveis na gestação

Os pesquisadores descobriram que os alimentos ultraprocessados compunham de 10% a 60% da dieta das participantes, com uma média de 38,6%. Cada proporção dietética 10% maior de alimentos ultraprocessados foi associada a uma concentração 13% maior de ftalato 2-etilhexil, um dos mais comuns e prejudiciais.

Caminhos para uma gravidez mais saudável

Medidos em amostras de urina, os níveis de ftalato foram coletadas durante o período do segundo trimestre da gravidez. Os alimentos ultraprocessados, segundo os cientistas, são feitos principalmente de substâncias extraídas de alimentos como óleos, açúcar e amido. Porém, foram tão alterados pelo processamento e pela adição de produtos químicos para melhorar sua aparência ou prazo de validade que são difíceis de reconhecer em sua forma original.

Conclusão: escolhas alimentares para uma gravidez mais saudável

Quando se trata de fast food, as luvas usadas por funcionários ou as ferramentas de armazenamento, preparo e serviço são as principais fontes de exposição. Segundo os investigadores, esse é o primeiro estudo a identificar os alimentos ultraprocessados como uma ligação entre a exposição de ftalatos e os problemas socioeconômicos enfrentados pelas mães.

Então, o que as futuras mamães podem fazer agora? Sathyanarayana diz que elas devem tentar ao máximo evitar alimentos ultraprocessados e procurar frutas, vegetais e carnes magras. Dessa forma, mães e futuros filhos podem ultrapassar a gravidez de forma saudável e sem muitos riscos.

Você já se deparou com a questão dos ftalatos na gravidez? Ou já teve experiências positivas ao evitar alimentos ultraprocessados durante a gestação? Compartilhe sua opinião nos comentários! Por que grávidas não devem comer fast food?

Veja Mais

POPULARES